quinta-feira, 22 de agosto de 2013

PREVIDENCIA SOCIAL, DESCASO E HUMILHAÇÃO

Hoje quero tomar o seu tempo para contar-lhes uma história de vida que relata meu passado e a expectativa que criei, confiante em um Sistema que aparentemente dava-me segurança e que ao longo do tempo e quando realmente utilizei vi que tudo não passava de ilusão e decepção, ou seja, me venderam um produto e entregaram outro.
Ainda quando criança tinha orgulho de meu saudoso pai que todo dia cedinho saia para trabalhar. Depois de muitos anos de labuta engraxando linhas de bonde, algum tempo depois, após contribuir sem interrupção, completou o tempo de serviço exigido para se aposentar.
Com muita alegria e orgulho, recolheu-se ao descanso, daquela atividade sofrida que ele realizou ao longo de sua trajetória. Exemplos de vida ele deu e esperanças também, com seu afastamento, criou vaga pra outro e seguiu seu destino na certeza de dever cumprido.
Seus filhos confiantes, crentes no Sistema e confiantes no futuro, seguiram também a trilha que tinham como segura, a exemplo de seu pai.O tempo passou, ele se foi e chegou a vez de sua geração gozar do mesmo benefício, com a mesma esperança e certeza de ter realizado e cumprido seu dever.
Não foi com o mesmo entusiasmo e até com certa decepção que recebi o primeiro benefício pois, se paguei além do TETO, (10 salários mínimos) esperava pelo menos chegar até ele.
Não entendi porque paguei de um jeito e recebi de outro porque até onde sei a matemática é uma ciência exata. Se paguei acima do TETO, certamente o valor a receber teria que ser proporcional. Na verdade, a conta da Previdência contraria os princípios dessa nobre ciência.
Para restabelecer no mínimo o valor do TETO, recorri a Justiça e depois de 18 anos ela entendeu que eu tinha direito pelo menos ao TETO, mesmo assim não cheguei nele por causa das leis criadas para reajustar os benefícios e que o fizeram mingua-lo ao longo dos anos.
Na verdade paguei por um fim e recebi por outro por causa de redutor e reajustes diferenciados que ano a ano faz o benefício diminuir a ponto de hoje ficar reduzido a 3,1 salários mínimos e futuramente chegarei certamente a apenas 01.
É assim que vive o aposentado de hoje, desprezado, humilhado, desacreditado e esquecido. O que era um sonho virou pesadelo e o que era verdade no passado virou uma mentira hoje, tudo isso fez transformar um sonho em decepção e descrença. É dessa forma que nos veem e é assim que querem.
Trabalhador de hoje, acorde enquanto é tempo, não acredite em promessas pois hoje você ainda não vive esse drama mas certamente se ficar inerte e descompromissado agora verá o reflexo no futuro e aí será tarde para lamentar, porque você será igual a nós amanhã e fará também parte de mais uma geração de EXCLUÍDOS. A hora é agora, lutem para aprovação dos PL 01/07 e PL 4434/08. SEM LUTA NÃO HÁ VITÓRIA.

Nenhum comentário:

Postar um comentário